IDEs e Produtividade na Programação

Produtividade na programação é algo que interessa a você? Acredito que sim, né, afinal quem não quer completar suas tarefas em menos tempo (algumas vezes até na metade do tempo) e ter tempo para fazer outras coisas?

Eu considero o tema produtividade na programação como sendo importantíssimo no dia a dia do programador, mas infelizmente eu não vejo muitos falando sobre isso e muito menos aplicando algumas técnicas que vão fazer o seu dia render muito mais!

Quer ver só como é possível ter produtividade na programação? Dá uma olhada nesse vídeo que eu gravei pra você falando sobre isso:

 

 

Se você analisar as coisas que você faz no seu dia a dia como programador, eu aposto com você que algumas das tarefas que você realizam fogem bastante do seu foco principal. E qual é o seu foco principal? Um só: programar com qualidade!

No vídeo eu contei pra você uma história que aconteceu comigo no passado e que tem tudo a ver com essa perda de foco. Eu precisava testar algumas alterações que eu fazia no sistema, e toda vez que eu fazia isso eu perdia pelo menos 5 minutos do meu tempo só pra copiar arquivos pro servidor, instalar o software e testar.

Aí você pode me dizer: “mas Carlos, só 5 minutinhos não é nada!“. E é aí que você se engana. Se eu precisar fazer o teste 10 vezes, praticamente 1 hora do meu dia de trabalho foi jogada no lixo! E quando você é um programador produtivo, em 1 hora você consegue fazer muita coisa!

Outro “ladrão de produtividade” é o seu próprio código. Você já parou pra pensar se não é possível reaproveitar código de outro projeto, ou achar um código já pronto que resolva o seu problema? Esses códigos já estão prontos e, mais importante, testados! Se você resolver escrever o código todo, você pode estar introduzindo uma fonte de problemas no sistema e certamente vai gastar seu tempo (que é limitado) com coisas que não são o foco do momento.

E uma das formas de resolver esse problema é usar ferramentas de desenvolvimento adequadas. As ferramentas ideias são as IDEs (Integrated Development Environment), que são ambientes integrados de desenvolvimento. Esse tipo de ferramenta é excelente porque permite que o programador escreva o código-fonte, execute e teste, tudo dentro da própria ferramenta. Isso acelera muito o processo e libera o seu precioso tempo pra gastar com o que é realmente importante.

Pesquise as ferramentas disponíveis pra linguagem de programação que você usa, e muito provavelmente você vai encontrar uma ferramenta muito boa e gratuita! No caso do Java, por exemplo, as IDEs mais famosas são o Eclipse, o NetBeans e o IntelliJ IDEA. Pra C, C++ e C# você pode usar o Visual Studio. E assim por diante…

Mas nunca se esqueça: ferramentas são apenas ferramentas! O importante mesmo é você conhecer bem os conceitos da linguagem de programação que você está trabalhando, e você terá liberdade pra escolher a ferramenta que atenda você da melhor forma. Os conhecimentos da linguagem de programação são universais e não mudam de uma ferramenta pra outra.

Por exemplo, aqui na Softblue todas as nossas videoaulas dos cursos de Java são mostradas na ferramenta Eclipse. Eu escolhi o Eclipse porque é uma ferramenta que eu gosto e é muito difundida, mas isso não significa que você precise usar a mesma que eu! Se você quiser estudar usando outra ferramenta, não tem problema, pois os conceitos da linguagem Java são os mesmos e podem ser aplicados em qualquer ferramenta.

E você, que técnicas você utiliza pra aumentar a sua produtividade na programação? Compartilhe aqui comigo e com os leitores do blog! Quero saber o que você anda fazendo. 😀

Sobre o autor

Carlos Tosin

Carlos Tosin

Carlos Eduardo Gusso Tosin é formado em Ciência da Computação pela PUC-PR, pós-graduado em Desenvolvimento de Jogos para Computador pela Universidade Positivo, Mestre em Informática na área de Sistemas Distribuídos, também pela PUC-PR. Trabalha profissionalmente com Java desde 2002 e possui 6 anos de experiência no desenvolvimento de sistemas para a IBM dos Estados Unidos, utilizados a nível mundial. Atua desde 2005 com treinamentos de profissionais em grandes empresas e escreveu diversos artigos para a revista Java Magazine. Possui as certificações da Sun (agora Oracle) SCJP, SCJD,SCWCD, SCBCD, SCEA, IBM SOA e ITIL Foundation.

Comentários (9)

  • Tadeu Espíndola Palermo

    Excelente artigo. Particularmente eu uso a IDE Eclipse, porém quando estava engatinhando no Java o NetBeans era meu companheiro de guerra rs… É uma pena que a versão comunitária do IntelliJ não dá suporte para Java Web! Forte abraço e parabéns pelo conteúdo desta publicação! 🙂

    • Carlos Tosin
      Carlos Tosin

      Obrigado, Tadeu! Pois é, são todas ótimas ferramentas e basta ver o que funciona melhor pra você!

    • Ronaldo Marques

      Puxa vida… ” IntelliJ não dá suporte para Java Web! ” , É grande pena mesmo.
      E hoje em dia, nada mudou no cenário open-source da InteliJ Community (sobre javaweb)?

  • Gustavo Costa

    Olá Sr. Tosin,

    Depende das necessidades do desenvolvedor, do engenheiro de computação e do software e do programador.

    Comapração dos IDEs e dos editores de texto:

    Atom ― para quem trabalha com desenvolvimento de websites, web design e um full stack poliglota e um programador poliglota. Oferece IDEs de C, Java, PHP e Python.
    Brackets ― para quem trabalha com desenvolvimento de [web]sites e com web design.
    Codeblocks ― para quem trabalha com C e C++. Trabalha com Fortran.
    Codelite ― semelhante ao Codeblocks.
    Decoda ― para quem trabalha com Lua.
    Eclipse ― para quem trabalha com Java, Spring e frameworks de Java. Também oferece Ada, C, C++, Haskell, Lua, Perl, PHP, Ruby e Scala.
    Emcas ― para os pró=GNU ou pró-GPL fanáticos que gostam de trabalham com C e Lisp.
    Gedit ― para os prgramadores linuxistas e pró-GNU ou pró-GPL fanáticos.
    IntelliJ IDEA ― semelhante ao Eclipse, só que é mais profissional, mas não é gratuito. Também trabalha com ActionScript, Fortran e Scala.
    Komodo [IDE] ― para quem trabalha com PHP, Perl, Python, Ruby e com desenvolvimento de [web]sites.
    Netbeans ― semelhante ao Eclipse. Também trabalha com C, C++, Fortran, Perl, PHP, Ruby, Scala e desenvolvimento de [web]sites.
    Notepad++ ― para quem prefere a old school.
    PHPStorm ― para quem quer testar os erros, formatar e construir em PHP e com frameworks de PHP, como Laravel e WordPress. Não é gratuito.
    PyCharm ― para quem trabalha com Python e frameworks de Python, como Django, é um dos IDEs mais profissionais, mas não é gratuito.
    Sublime Text 3 ― óptimo para os ficheiros de grande tamanho, muito rápido e semelhante ao Atom, não é um IDE, só que bastante limitado no caso de customização de tema (principalmente tipografia), PHP e snippets. Não é gratuito.
    Vim ― semelhante ao Emacs.
    Visual Studio Code ― semelhante ao Atom, e além disso, oferece IDE de C, C++, C#, Python, Spring, MSSQL (SQL Server) e Git, e é mais diversificado que Atom.
    Visual Studio ― para quem trabalha com ASP.NET, C#, Mono e .NET. Também serve para desenvolver os mesmos aplicativos multiplataforma. Trabalha com C, C++, Pascal.
    WebStorm ― para quem trabalha com desenvolvimento de [web]sites e com web design, só que é mais profissional que Atom, Brackets, Sublime Text e Visual Studio Code. Não é gratuito.
    Xcode ― para quem trabalha com Swift e Objective C.

    • Carlos Tosin
      Carlos Tosin

      Uau! Curti sua lista 🙂 Obrigado por compartilhar com a gente, Gustavo!

  • divino alberto

    Estou ancioso para conhecer a linguagem a estrura e como trabalhar com o Java Eclipse.

    • Carlos Tosin
      Carlos Tosin

      Boko, não vejo nenhum problema aqui. A Oracle está falando sobre o fim do suporte ao Java 8 especificamente, que com o lançamento do Java 9 está defasado. Isto inclusive é importante, pois ninguém ficar dando suporte a algo que já está em desuso, e ainda por cima faz com que as empresas/desenvolvedores passem a adotar o Java 9, que é a versão oficial.

      A nota não faz qualquer tipo de menção a cobrança futura pela licença do Java ou algo do tipo. Não há nenhum motivo para pânico 🙂

  • Ronaldo Marques

    Mr. Carlos Tosin, parabéns pelo post no blog. Muito bom, útil, objetivo, claro (bem esplicado). Abraço. Sucesso !

Deixe uma resposta para Gustavo Costa Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *